0

Teste de ATM - veja se você possui uma disfunção!


TESTE DE ATM

Questionário de triagem recomendado para DTM segundo a Academia de dor Orofacial:
1) Voce tem dificuldade, dor, ou ambas, ao abrir sua boca, por exemplo, ao bocejar?
 sim       não

2) Sua mandíbula fica presa, travada ou sai do lugar?
 sim       não

3) Você tem dificuldade, dor, ou ambas, ao mastigar, falar ou usar seus maxilares?
 sim       não

4) Você percebe ruídos na articulação de seus maxilares?
 sim       não

5) Seus maxilares ficam rígidos, apertados ou cansados com regularidade?
 sim       não

6) Você tem dor nas ou ao redor das orelhas, têmporas ou bochechas?
 sim       não

7) Você tem cefaléia, dores no pescoço ou nos dentes com freqüência?
 sim       não

8) Você sofreu algum trauma recente na cabeça, pescoço ou maxilares?
 sim       não

Confira o resultado:
Se vc marcou 'sim' nas questões 1, 3, 5, 6 e 7: existe a possibilidade de Desordens Extracapsulares.

Se vc marcou 'sim' nas questões 1, 2, 4 e 8: existe a possibilidade de Desordens Intracapsulares.

Se você marcou questões que indiquem a presença de patologias tanto intra como extra capsulares, é possível que você possua as duas patologias.
Esse teste não indica a existência de problemas.
Havendo a possibilidade de alguma desordem, agende uma consulta com um especialista.
Ele fará o diagnóstico sobre suas condições e indicará o tratamento adeqüado.

Informações gerais sobre Dtm e Dor Orofacial em forma de perguntas e respostas.
1- Qual o perfil de um paciente portador de dor de cabeça relacionada à DTM (disfunção temporomandibular) e dor orofacial?

R- O paciente portador desta disfunção é um portador de dor crônica, devido a demora de anos para procurar ajuda, alguns relatam que já acostumaram a viver com a dor, em virtude dos sinais e sintomas serem um tanto subjetivos podendo estar ligados a outros problemas médicos como: depressão, otológicos, enxaqueca, dificuldade visual. Estes pacientes quando me procuram geralmente relatam uma verdadeira “via sacra” à procura de tratamento, são atendidos por todos e ao mesmo tempo por ninguém, estão perdidos, sem direção e desamparados, e o pior, continuam levando a vida acompanhados de suas dores e segundo o relato de alguns: uma vida sem cor, uma vida em branco e preto. No aspecto psicológico observamos que este paciente dificilmente consegue colocar limites nos outros, apresenta dificuldade no dia a dia em: dizer não, em delegar tarefas aos outros (pois imagina que ninguém poderia fazer melhor que ele), em dedicar um pouco de tempo para si mesmo, enfim este tipo de paciente tem que aprender a dosar com equilíbrio e a viver um pouco mais para a realização de seus desejos, objetivos e sonhos e não tanto em função dos outros.
2- Se eu me encaixar neste perfil, o que devo fazer para ficar livre da dor?

R- Em primeiro lugar, o paciente deverá ter “vontade” de se curar, não se conformar em sentir dor, e, procurar ajuda. Esta patologia não escolhe classe social, sexo, nem idade. O correto é procurar um profissional especialista em DTM e Dor orofacial, que estará apto a realizar um diagnóstico diferencial de todas as outras dores que se manifestam nesta área, tratar o que for de seu âmbito ( dores de cabeça relacionadas à ATM e aos músculos da mastigação ), e encaminhar o que não for para outros especialistas. E só um profissional especializado pode entender os mecanismos da dor e interpretá-la nos seus aspectos subjetivos, pois esses são os mais importantes a serem considerados no diagnóstico elaborado pelo profissional, pois a dor, sendo subjetiva, tem sua intensidade variada de acordo com o individuo, com seu estado emocional e com a sua doença . Portanto, a capacidade em diagnosticar, tratar e controlar as dores que se manifestam no complexo orofacial, principalmente no caráter crônico e no controle das dores originadas nos músculos da mastigação e na articulação temporomandibular é de responsabilidade deste profissional especialista em DTM e DOF.
3. Qual é a atuação do especialista em Disfunção Temporomandibular (DTM) e Dor Orofacial?

R- O cirurgião dentista, especialista em DTM e Dor Orofacial, recebe um treinamento intensivo com o objetivo de diagnosticar e tratar os casos de dores agudas e controlar de uma maneira mais eficiente os casos de dores crônicas, que se originem e se manifestem no complexo orofacial. Este profissional deverá estar também habilitado a realizar o diagnóstico diferencial de outras patologias que possam gerar dor neste segmento.
4. O que é um diagnostico diferencial?

R- Na maioria das vezes em um quadro doloroso pode existir uma sobreposição de sintomas oriundos das mais diversas áreas do organismo. Detectá-los, e entender o complexo mecanismo envolvido neste quadro, deverá ser o objetivo a ser atingido. Sempre o diagnóstico trará conseqüências ao paciente, tranqüilizadoras ou não. Portanto realizá-lo com um profissional especializado na área e sendo o mesmo bem conduzido, ajudará o paciente a atingir seus objetivos no tratamento.
5. Qual é a relação da oclusão dental e as DTMs?

R- Na literatura atual, vários estudos foram realizados com a finalidade de se determinar a real contribuição da oclusão para o desenvolvimento da DTM, entretanto os resultados destes estudos tem se mostrado controversos.
Dados atuais mostram com clareza que em cerca de somente 3 % dos pacientes com DTM, o fator causal da doença está relacionado à sua oclusão.
6. Qual é o perfil do paciente com DTM?

R- Alguns autores chegam a dizer que esta é uma doença própria das mulheres em fase reprodutiva (15 a 45 anos). Há em média uma proporção de 9 mulheres para cada homem. Sua incidência anual é baixa, cerca de 1% à 2% por ano (estimativa Sueca); se extrapolarmos para o Brasil deveremos ter cerca de dois milhões e meio a três milhões de novos pacientes com DTM por ano. Sua prevalência é maior, pois a DTM é uma patologia de longa duração. Um grande número dos pacientes com DTM que nos procura relatam uma verdadeira “via sacra” a procura de tratamento, este paciente se sente perdido sem saber onde se tratar, com quem se tratar, e o pior, não sabem nada sobre a doença para a qual procuram tratamento. Relata-nos o uso de dispositivos oclusais, colocação ou troca de próteses, tratamento ortodônticos ou ortopédicos, uso inadequado de medicamentos e até cirurgias. Muitos destes procedimentos são realizados de maneira correta dentro das especialidades, porém sem nenhum efeito em relação à DTM. No aspecto psicológico observamos algumas características peculiares na maioria dos pacientes como dificuldade em: dizer não, delegar tarefas aos outros, dedicar um pouco mais de tempo para si mesmo, ter algum hobby, impor limites aos outros, não se sobrecarregar, etc.
7. Quais são os sinais e sintomas mais comuns em pacientes com DTM?

R- Dor de cabeça e/ou na face, sons e/ou dor ao abrir/fechar a boca, dificuldade de abrir a boca ao acordar, sensação de cansaço e/ou dor ao mastigar, bocejar e ao acordar, travamento ao abrir/fechar a boca, alteração brusca na oclusão dental, realizar movimentos não lineares ao abrir/fechar a boca e alguns tipos de zumbido nas orelhas, entre outros.
8. Como é a atuação do especialista em DTM em pacientes portadores de zumbido na orelha? 

R- Alterações da musculatura da mastigação podem alterar estruturas anatômicas que estão relacionados diretamente com a orelha média e o sistema auditivo. Diante dessas alterações devemos atuar de maneira multidisciplinar, ou seja, com profissionais de áreas afins (neuro ou otorrino) objetivando assim a melhora de nosso paciente.
9. Como é o atendimento em uma clínica interdisciplinar no tratamento de pacientes com DTM?

R- Nosso atendimento prioriza o paciente portador de DTM e dor orofacial ,portanto de maneira interdisciplinar ,ou seja, os profissionais das diversas áreas da saúde que atuam nesta área interagem quando necessário com o intuito de cada um contribuir com o conhecimento inerente à sua área com a finalidade de melhor conduzir os diversos tratamentos. Por exemplo, um médico reumatologista no acompanhamento de um paciente com artrite reumatóide e que apresente comprometimento das ATMs e dos músculos da mastigação. ou um neurologista no caso do paciente que além da DTM também apresente uma migrânia (enxaqueca). O especialista em DTM irá conduzir o tratamento relativo às ATMs e aos músculos da mastigação, tendo os outros especialistas médicos, nestes casos, o reumatologista e o neurologista dando o suporte necessário em relação às outras comorbidades.
10. Qual é a abordagem atual no tratamento e controle dos pacientes com DTM?

R- O tratamento mais adequado é sem duvida aquele baseado em um correto diagnóstico e esse diagnóstico deverá ser realizado por um profissional com conhecimento da natureza multifatorial dos fatores etiológicos contribuintes, pois a etiologia das DTMs, apesar de não estar ainda totalmente compreendida, deve ser encarada como de natureza multifatorial e dinâmica. A partir deste conceito devemos considerar o fato da possibilidade de atuação de vários fatores contribuintes, agindo ao mesmo tempo no mesmo paciente. Geralmente as terapias conservadoras e reversíveis devem sempre fazer parte do plano de tratamento inicial. Na atualidade, onde milhares de pacientes sofrem de dores na cabeça, face e pescoço, a importância de estudos nessa área se reflete na responsabilidade que nós, profissionais da área médica temos frente a essas situações.
O fato de não existir uma alta taxa de mortalidade em pacientes sofredores de dor orofacial não invalida a alta taxa de diminuição da qualidade de vida desses pacientes, estando a depressão associada à cronicidade da dor.
Embora se trate de uma doença que pode causar dores de cabeça terríveis durante anos, o tratamento para esta doença quando bem diagnosticada apresenta resultados satisfatórios. Com uma avaliação clínica bem realizada, que conste de técnicas específicas de diagnóstico nas quais o especialista em DTM irá explorar e analisar de uma maneira ordenada as queixas de dor de cabeça do paciente recomendando o tratamento necessário não só na sua área como também encaminhando o paciente para outros profissionais. Geralmente o tratamento é conservador, feito por meio de terapias caseiras, exercícios, compressas, fisioterapia específica, relaxamento muscular, controle da ansiedade e depressão. Na maioria dos casos é necessária a interação de uma equipe multidisciplinar, para o melhor entendimento e condutas específicas nas áreas de, neurologia, psicologia, reumatologia, otorrinolaringologia, endocrinologia e fisioterapia. O especialista em DTM deve estar apto a diagnosticar todas as dores orofaciais, tratando as que estejam relacionadas a sua área de atuação e a encaminhar o paciente quando o tratamento demandar a intervenção de outro profissional de saúde, onde de uma maneira conjunta e simultânea avaliarão os pacientes e só então realizão o tratamento.
11- Quais seriam os possíveis fatores contribuintes na etiologia da DTM?

R- Poderíamos citar como fatores contribuintes: traumatismos, hábitos posturais, hábitos parafuncionais, fatores genéticos, condicionamento físico, qualidade do sono, nutrição, consumo de água, consumo de álcool, consumo de cafeína, fatores psicológicos, gênero, respiração inadequada, dor etc.
12- Como a dor poderia ser um fator contribuinte na etiologia da DTM e não um sintoma da doença?

R- Até a pouco tempo, a dor era considerada como um sintoma de alguma disfunção ou doença. Poderia ser também confundida por um sinal de uma disfunção muscular ou articular. Entretanto ,hoje se sabe que o estímulo constante da dor profunda (por ex. dores musculares, dor pulpar, articular, cefaléias, neuropáticas e articulares) é um fator estimulante do SNC(Sistema Nervoso Central) e através desse mecanismos pode causar alguns tipos de alterações , como: co contração protetora , dor miofascial, alodinia, dor referida etc.
12- O que é o Bruxismo? E como posso saber se tenho esse problema?

R- Se você acorda e os músculos da sua mandíbula estão doloridos ou com dor de cabeça, você pode estar sofrendo de bruxismo - um ranger ou um forte apertar dos dentes. O bruxismo pode fazer os dentes ficarem doloridos e, às vezes, partes dos dentes são literalmente desgastados. Eventualmente, o bruxismo pode acarretar a destruição do osso circunvizinho e do tecido da gengiva. O Bruxismo também pode levar a problemas que envolvam a articulação da mandíbula, (como a disfunção temporomandibular - DTM).Para muitas pessoas, o bruxismo é um hábito inconsciente. Estas pessoas podem nem mesmo perceber que estão fazendo isto, até que alguém comente que elas fazem um horrível som de ranger de dentes enquanto estão dormindo. Para outras pessoas, é quando fazem um exame dental rotineiro e descobrem que seus dentes estão desgastados ou o esmalte de seu dente está rachado.Outros potenciais sinais de bruxismo incluem dor na face, na cabeça e no pescoço. Seu dentista, especialista em DTM e Dor Orofacial, será capaz de fazer um diagnóstico preciso e determinar se a origem da dor facial é causada por bruxismo ou pelos outros sintomas acima descritos.
13- Qual a sua opinião sobre a terapia medicamentosa na DTM e na dor orofacial? 

R- Alguns profissionais da área são contra medicação, durante a terapia. Eu entendo que quando tratamos pacientes com dor temos que ter critérios muito rígidos para a medicação desses pacientes.

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

Método das Boquinhas - Renata Jardini

Loading...

Educação Especial

Loading...

Disfagia

Loading...

Fonoaudiologia Estética

Loading...

Consciência Fonológica em crianças de 3 anos pelo Método das Boquinhas

Loading...

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”