0

Dificuldade para engolir é sintoma, não doença!


Problemas para engolir alimentos líquidos e sólidos atingem todas as idades. Mas chamada disfagia orofaringica não é uma condição em si, mas um sintoma de outros problemas de saúde. “A disfagia é a dificuldade de levar os alimentos da boca até o estômago. Apesar da ideia comum de que esse transporte é algo simples – é só engolir – esse processo de deglutição envolve vários orgãos do corpo, já que engolir algo não se dá pela força da gravidade mas dos movimentos peristálticos que empurram o alimento para o estômago”, explica Roberta Gonçalves, fonoaudióloga que coordena o Departamento de Disfagia da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa).

“A disfagia não é só uma questão que envolve mastigação, mas também orgãos das vias aéreas superiores, que dividem suas funções com a respiração também. O principal perigo da disfagia é quando líquidos e sólidos se desviam do seu caminho natural e vão parar no pulmão”, completa Roberta que é pesquisadora ligada à Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Marília.

Aumento do risco de morte
A disfagia pode levar, por exemplo, à infecções diversas no pulmão. Entre elas está o risco de pneumonia. As infecções nas vias aéreas superiores – das quais faz parte o pulmão – são uma das principais causas de óbito em idosos hospitalizados. Mas a idade não é um determinante. Bebês também podem ter problemas de disfagia, e correm os mesmos riscos de morte de idosos.
“Crianças pequenas que têm muitos problemas respiratórios, como gripes e resfriados constantes e pneumonias, podem não ter doenças pulmonares, mas sim algum tipo de disfagia. Pais que afirma que seus filhos ‘estão sempre resfriadinhos’ precisam estar atentos para condiçoes não diagnosticadas – como síndrome genéticas – que podem estar levando a esse quadro de problemas respiratórios”, alerta a especialista.

Disfagia em adultos pode estar relacionada com câncer de cabeça e pescoço
Algumas condições de saúde estão associadas diretamente à disfagia ou problemas de deglutição. No caso dos Acidentes Vasculares Cerebrais (o AVC ou o popular “derrame”) a disfagia é encontrada em 97% dos casos. O AVC é mais comum em indivíduos adultos ou idosos, especialmente aqueles com vida sedentária, tabagistas e cuja alimentação passa longe da saudável (com grande consumo de gorduras saturadas, por exemplo).
Outras condições neurológicas, também mais incidentes em pessoas mais velhas, estão associadas à deglutição comprometida. A Doença de Alzheimer e o Parkinson, são exemplos. “Engolir é um ato involuntário que é controlado pelo cérebro. Qualquer problema neurológico, especialmente aqueles que compromentem a movimentação e o controle dos músculos, pode causar a disfagia”, diz a especialista.
Adultos que estão fora da faixa de risco para essas doenças neurodegenerativas, mas que sofreram algum tipo de trauma encefálico (como aqueles em acidentes automobilísticos) também têm um alto risco de desenvolver a disfagia.
Já quando o assunto são os câncer de cabeça e pescoço – uma lista longa que pode atingir vários orgãos nessa região – a disfagia está presente em 100% dos casos.
“Se há essa dificuldade de engolir e ela está se agravando, com engasgos frequentes ou desvio do alimento, pode haver um câncer de cabeça e pescoço se instalando”, observa Roberta.

Não só engasgos e problemas de pulmão: disfagia também pode levar à desnutrição
A desnutrição causada pela disfagia é comum em indivíduos idosos e nas crianças. No primeiro caso, o AVC e outras condições neurológicas são um desafio para os familiares e, portanto, quando esses voltam para casa após alguma intervenção hospitalar é preciso dobrar a atenção.
“A alimentação, nesses casos, compreende todo um processo de readequação das rotinas. Os idosos comem mais devagar, engasgam e por ser cansativo ou pelo fato de haver pouco ou nenhum prazer na alimentação eles podem comer cada vez menos. Os cuidadores precisam estar atentos para essa nova dinâmica e sempre ficar atentos ao nível ideal de ingestão alimentar”, diz Roberta.
No caso das crianças, em especial daquelas em idade onde a verbalização ainda não está presente, novamente é preciso atenção redobrada. “Problemas para deglutir causam traumas e essas crianças vão deixando de se alimentar corretamente”, alerta.

Diagnóstico difícil e falta de preparo de profissionais médicos
Além do risco de morte, pode trazer problemas pulmonares e nutricionais a disfagia também aumenta – em muito – os custos de uma internação. Isso porque pessoas com problemas para deglutir podem acabar precisando de sondas de alimentação, um conjunto de aparelhos que evita a total desnutrição do paciente ao custo que pode variar dos R$ 3 aos R$ 4 mil por mês.
Para evitar esse aumento nos custos de internação o ideal é diagnosticar o mais rápido possível a disfagia e contar com um profissional de fonoaudiologia na equipe multidisciplinar que atende pacientes com o risco da disfagia ou com o problema já instaurado.
Mas muitos profissionais médicos e de enfermagem não conseguem reconhecer os primeiros indícios da disfagia. Pior: alguns profissionais de saúde ainda se valem de uma metodologia de diagnóstico precária e datada, ao invés de uma análise clínica acompanhada pelo profissional de fonoaudilogia.
“Há muitos anos atrás o diagnóstico para uma possível disfagia era feita fazendo com que o paciente ingerisse uma certa quantidade de gelatina, um alimento pastoso que é relativamente fácil de engolir. Caso o paciente tivesse acessos de tosse, ele provavelmente estava sofrendo com a disfagia. Primeiro, o método é, convenhamos, arcaico. Segundo, trazia riscos para a saúde do paciente pois, caso ele estivesse com problemas de deglutição a gelatina poderia parar no pulmão, gerando uma infecção”, explica Roberta.
“Os protocolos atuais determinam que a avaliação deve ser feita por uma equipe multidisciplinar e que tenha, necessariamente, um profissional de fonoaudiologia. Isso já é lei inclusive para pacientes com AVC e em maternidades. Mas não para todas as condições que incorrem no risco da disfagia, ainda. Então depende-se muitas vezes da sensibilidade e preparo do profissional médico para pedir presença do fonoaudiólogo. Esperamos que isso mude no curto prazo”, indica Roberta.
“Uma boa avaliação e uma intervenção para a reversão do quadro da disfagia é, comprovado pelos diversos estudos feitos no Brasil – e cujas pesquisas na área é reconhecida mundialmente – a melhor forma de proteger os pacientes de pioras na sua saúde como um todo”, finaliza a pesquisadora.
-
por Enio Rodrigo

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

Método das Boquinhas - Renata Jardini

Loading...

Educação Especial

Loading...

Disfagia

Loading...

Fonoaudiologia Estética

Loading...

Gagueira

Loading...

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”