0

Gagueira - Orientações importantes para pais



Caso seu filho tenha dificuldade para falar e costume hesitar ou repetir determinadas sílabas, palavras ou frases, ele pode ter uma disfluência ou uma gagueira. Contudo, também pode estar atravessando um período de disfluência normal, período este que muitas crianças enfrentam quando estão aprendendo a falar. É importante que os pais saibam entender a diferença entre gagueira e o desenvolvimento normal da linguagem.
A disfluência normal das crianças: 1. A criança dentro do seu desenvolvimento normal pode ser disfluente, ocasionalmente, repetindo uma ou duas vezes sílabas ou palavras, por exemplo: pa-pa-pato. As disfluências também podem incluir as hesitações e as interjeições como: “há”, “e”, “hum”.
2. As disfluências ocorrem com mais frequência entre um ano e meio e cinco anos de idade, costumam ir e vir.
Normalmente essas disfluências são sinais de que a criança está aprendendo a usar a linguagem de maneira nova. Se as disfluências desaparecerem durante várias semanas e depois voltarem, a criança pode estar atravessando uma nova fase de aprendizagem.
Há várias situações em que é normal gaguejar:

- quando a criança está aprendendo a falar;
- ao falarmos palavras difíceis;
- quando estamos nervosos, com medo, ansiosos...;
- quando temos várias coisas para contar ao mesmo tempo.

Isso mesmo! A disfluência, que pode ser chamada de gagueira, faz parte de nossa fala!
Nós só conseguimos ser fluentes, que é falar sem gaguejar, quando decoramos algum texto, quando cantamos, quando lemos um texto ensaiado.
Portanto, nas situações citadas acima, a gagueira é considerada NORMAL e, quando a mesma ocorrer na criança em fase de aquisição de linguagem, é chamada pelos fonoaudiólogos de: DISFLUÊNCIA FISIOLÓGICA
Mas existe outro tipo de gagueira que não é considerada normal: DISFLUÊNCIA PATOLÓGICA

Vamos conhecê-la?

Se os pais, ao verem seu filho gaguejar, na fase de aquisição da linguagem, reagirem de forma negativa a sua fala, por não ter o conhecimento de que nesta fase é normal a criança repetir, prolongar e hesitar nas palavras , essa disfluência, considerada fisiológica(normal), pode passar a ser uma disfluência patológica.

Mas, como é agir de forma negativa?

Os pais, por estar ansiosos e desinformados, já que pensam que seu filho é realmente gago, tentam fazê-lo parar de gaguejar dizendo frases do tipo: ”Fale direito”, “Respire antes de falar”, ”Calma!”, quer dizer, agem de forma negativa a sua fala.
Não só os pais podem agir dessa forma, mas também professores, pessoas da família... onde o efeito será o mesmo.

E como essa reação negativa à fala da criança pode deixá-la realmente gaga?

A criança tentará fazer como os seus pais querem:falar direito, respirar antes de falar...
Mas,isso não fará com que ela pare de gaguejar e,sim, com que gagueje mais ainda, já que ficará tensa, nervosa pela cobrança a sua fala. E nós já vimos o que pode acontecer quando ficamos tensos, nervosos: gaguejamos.
Além disso, no mesmo período em que a criança está aprendendo a falar acontece a formação da sua identidade(Quem sou eu?).Com toda essa cobrança à sua fala, ela acreditará que é incapaz de falar, acreditará que é realmente gaga.

Então, o que devo fazer?

A verdadeira resposta é NADA! Agora que você já sabe que é normal seu filho gaguejar nesta fase, preste atenção no que ele está falando para você, ao invés de como está falando.
É importante não querer comparar a fala do seu filho com a de outras crianças, pois todas são singular, desenvolvem-se em ritmos diferentes.
Proporcione momentos de prazer a sua linguagem, como: contar estórias, cantar...
Nas horas em que ele gaguejar, tenha paciência e deixe que ele fale tudo o que tem para dizer.
Agora, se mesmo assim você ficar preocupada ou ansiosa, procure por um fonoaudiólogo que ele a orientará.

A criança com gagueira

1. A criança com gagueira leve repete sons mais de duas vezes, pa-pa-pa-pa pato por exemplo. A presença de tensão pode ser evidente nos músculos faciais, especialmente ao redor da boca.
2. A intensidade da voz pode aumentar com as repetições e, ocasionalmente, a criança terá “bloqueios” – ausência de ar por alguns segundos.
3. Tente falar mais lenta e relaxadamente quando conversar com seu filho. Encoraje os outros membros da família para fazerem o mesmo. Não fale tão devagar de modo que sua fala pareça estranha, mas mantenha-a lenta e faça várias pausas.
4. A fala lenta e relaxada pode ser mais eficaz quando a criança tiver um tempo do dia com a atenção de seus pais só para ela, sem ter que competir com os outros. Alguns minutos do seu dia podem ser reservados para a criança, é um tempo em que se vai apenas ouvir o que ela tem para falar.
5. Quando seu filho falar ou perguntar algo, tente parar um segundo ou mais antes de responder. Isso vai fazer com que sua fala fique mais lenta e relaxada.
6. Tente não ficar chateado ou nervoso quando a gagueira aumentar. Seu filho está fazendo o melhor que pode para aprender muitas regras novas de linguagem (todas ao mesmo tempo). Sua atitude de aceitação e paciência vai ajudá-lo muito.
7. Repetições sem esforço e prolongamentos de sons são as maneiras mais saudáveis de se gaguejar. Qualquer coisa que ajude seu filho a gaguejar desta maneira ao invés de com tensão e evitando palavras deve ser feito.
8. Se seu filho fica frustrado ou triste quando a gagueira está pior, dê a ele segurança. Algumas crianças se sentem melhor quando ouvem “Eu sei que é difícil falar ... mas muitas pessoas empacam em algumas palavras ... não tem importância”. Algumas crianças se sentem mais confiantes ao serem tocadas ou abraçadas quando se sentem frustradas.
9. As disfluências vão e vêm, mas estão mais presentes do que ausentes.

Quando procurar um fonoaudiólogo?

 Se seu filho gagueja em mais de 10% de sua fala, apresenta esforço e tensão para falar, evita palavras (muda as palavras) e/ou usa vários sons para começar a falar, ele precisa de terapia. Os bloqueios de fala são mais comuns do que as repetições e os prolongamentos. As disfluências estão presentes na maioria das situações de comunicação. Neste caso procure um serviço de fonoaudiologia para tratar de seu filho. Exija um especialista, não é qualquer profissional que sabe tratar das gagueiras infantis.
 As sugestões dadas para os pais de crianças com gagueira leve também servem para as crianças com gagueira severa. Tente lembrar que lentificar e relaxar sua própria fala traz muito mais benefícios para a criança do que falar para seu filho relaxar, respirar, pensar, falar mais devagar etc.
 Encoraje seu filho a falar com você sobre a gagueira. Mostre paciência e aceitação enquanto conversar sobre o assunto. Superar a gagueira é mais uma questão de perder o medo de gaguejar do que se esforçar para falar melhor.
DICAS IMPORTANTES...

- FALE LENTA E RELAXADAMENTE MAS NÃO PERCA A NATURALIDADE.
- PRESTE MAIS ATENÇÃO NO CONTEÚDO DA MENSAGEM E NÃO NO QUANTO A CRIANÇA ESTÁ GAGUEJANDO.
- MOSTRE QUE VOCÊ ESTÁ PRESTANDO ATENÇÃO AO QUE A CRIANÇA FALA: ACENE COM A CABEÇA, SORRIA FAÇA SONS DE APROVAÇÃO ETC.
- MANTENHA CONTATO DE OLHOS COM A CRIANÇA ENQUANTO ELA ESTIVER FALANDO
- NÃO A APRESSE PARA FALAR. NÃO TERMINE AS PALAVRAS PARA ELA.
- NÃO PERMITA QUE OUTRAS CRIANÇAS CAÇOEM DE SUA CRIANÇA.

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

Método das Boquinhas - Renata Jardini

Loading...

Educação Especial

Loading...

Disfagia

Loading...

Fonoaudiologia Estética

Loading...

Gagueira

Loading...

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”