0

Como avaliar o aluno com deficiência?


A avaliação sempre foi uma pedra no sapato do trabalho docente do professor. Quando falamos
em avaliação de alunos com deficiência, então, o problema torna-se mais complexo ainda.
Apesar disso, discutir a avaliação como um processo mais amplo de reflexão sobre o fracasso
escolar, dos mecanismos que o constituem e das possibilidades de diminuir o violento processo
de exclusão causado por ela, torna-se fundamental para possibilitarmos o acesso e a
permanência com sucesso dos alunos com deficiência na escola.
De início, importa deixar claro um ponto: alunos com deficiência devem ser avaliados da mesma
maneira que seus colegas. Pensar a avaliação de alunos com deficiência de maneira dissociada
das concepções que temos acerca de aprendizagem, do papel da escola na formação integral
dos alunos e das funções da avaliação como instrumento que permite o replanejamento das
atividades do professor, não leva a nenhum resultado útil.

Nessa linha de raciocínio, para que o processo de avaliação do resultado escolar dos alunos
seja realmente útil e inclusivo, é imprescindível a criação de uma nova cultura sobre
aprendizagem e avaliação, uma cultura que elimine:

- o vínculo a um resultado previamente determinado pelo professor;
- o estabelecimento de parâmetros com os quais as respostas dos alunos são sempre
comparadas entre si, como se o ato de aprender não fosse individual;
- o caráter de controle, adaptação e seleção que a avaliação desempenha em qualquer nível;
- a lógica de exclusão, que se baseia na homogeneidade inexistente;
- a eleição de um determinado ritmo como ideal para a construção da aprendizagem de todos
os alunos.

Numa escola onde a avaliação ainda se define pela presença das características acima
certamente não haverá lugar para a aceitação da diversidade como inerente ao ser humano e da
aprendizagem como processo individual de construção do conhecimento. Numa educação que
parte do falso pressuposto da homogeneidade não há espaço para o reconhecimento dos
saberes dos alunos, que muitas vezes não se enquadram na lógica de classificação das
respostas previamente definidas como certas ou erradas.
O que estamos querendo dizer é que todas as questões referentes à avaliação dizem respeito à
avaliação de qualquer aluno e não apenas das pessoas com deficiências. A única diferença que
há entre as pessoas ditas normais e as pessoas com deficiências está nos recursos de
acessibilidade que devem ser colocados à disposição dos alunos com deficiências para que
possam aprender e expressar adequadamente suas aprendizagens. Por recursos de
acessibilidade podemos entender desde as atividades com letra ampliada, digitalizadas em Braille, os interpretes, até uma grande gama de recursos da tecnologia assistiva hoje já
disponíveis, enfim, tudo aquilo que é necessário para suprir necessidades impostas pelas
deficiências, sejam elas auditivas, visuais, físicas ou mentais.
Neste contexto, a avaliação escolar de alunos com deficiência ou não, deve ser verdadeiramente
inclusiva e ter a finalidade de verificar continuamente os conhecimentos que cada aluno possui,
no seu tempo, por seus caminhos, com seus recursos e que leva em conta uma ferramenta
muito pouco explorada que é a co-aprendizagem.
Nessa mudança de perspectiva, o primeiro passo talvez seja o de nos convencermos de que a
avaliação usada apenas para medir o resultado da aprendizagem e não como parte de um
compromisso com o desenvolvimento de uma prática pedagógica comprometida com a inclusão,
e com o respeito às diferenças é de muito pouca utilidade, tanto para os alunos com deficiências
quanto para os alunos em geral.
De qualquer modo, a avaliação como processo que contribui para investigação constante da
prática pedagógica do professor que deve ser sempre modificada e aperfeiçoada a partir dos
resultados obtidos, não é tarefa simples de ser conseguida. Entender a verdadeira finalidade da
avaliação escolar só será possível quando tivermos professores dispostos a aceitar novos
desafios, capazes de identificar nos erros pistas que os instiguem a repensar seu planejamento e
as atividades desenvolvidas em sala de aula e que considerem seus alunos como parceiros,
principalmente aqueles que não se deixam encaixar no modelo de escola que reduz o
conhecimento à capacidade de identificar respostas previamente definidas como certas ou
erradas.
Segundo a professora Maria Teresa Mantoan, a educação inclusiva preconiza um ensino em que
aprender não é um ato linear, continuo, mas fruto de uma rede de relações que vai sendo tecida
pelos aprendizes, em ambientes escolares que não discriminam, que não rotulam e que
oferecem chances de sucesso para todos, dentro dos interesses, habilidades e possibilidades de
cada um. Por isso, quando apenas avaliamos o produto e desconsideramos o processo vivido
pelos alunos para chegar ao resultado final realizamos um corte totalmente artificial no processo
de aprendizagem.
Pensando assim temos que fazer uma opção pelo que queremos avaliar: produção ou
reprodução. Quando avaliamos reprodução, com muita freqüência, utilizamos provas que
geralmente medem respostas memorizadas e comportamentos automatizados. Ao contrario,
quando optamos por avaliar aquilo que o aluno é capaz de produzir, a observação, a atenção às
repostas que o aluno dá às atividades que estão sendo trabalhadas, a analise das tarefas que
ele é capaz de realizar fazem parte das alternativas pedagógicas utilizadas para avaliar.
Vários instrumentos podem ser utilizados, com sucesso, para avaliar os alunos, permitindo um
acompanhamento do seu percurso escolar e a evolução de suas competências e de seus
conhecimentos. Um dos recursos que poderá auxiliar o professor a organizar a produção dos
seus alunos e por isso avaliar com eficiência é utilizar um portfólio. A utilização do portfólio permite conhecer a produção individual do aluno e analisar a eficiência
das práticas pedagógicas do professor. A partir da observação sistemática e diária daquilo que
os alunos são capazes de produzir, os professores passam a fazer descobertas a respeito
daquilo que os motiva a aprenderem, como aprendem e como podem ser efetivamente
avaliados.
No caso dos alunos com deficiências, os portfólios podem facilitar a tomada de decisão sobre
quais os recursos de acessibilidade que deverão ser oferecidos e qual o grau de sucesso que
está sendo obtido com o seu uso. Eles permitem que tomemos conhecimento não só das
dificuldades, mas também das habilidades dos alunos, para que, através dos recursos
necessários, estas habilidades sejam ampliadas. Permitem, também, que os professores das
classes comuns possam contar com o auxílio do professor do atendimento educacional
especializado, no caso dos alunos que freqüentam esta modalidade, no esclarecimento de
dúvidas que possam surgir a respeito da produção dos alunos.

Quando utilizamos adequadamente o portfólio no processo de avaliação podemos:

- melhorar a dinâmica da sala de aula consultando o portfólio dos alunos para elaborar as
atividades:
- evitar testes padronizados;
- envolver a família no processo de avaliação;
- não utilizar a avaliação como um instrumento de classificação;
- incorporar o sentido ético e inclusivo na avaliação;
- possibilitar que o erro possa ser visto como um processo de construção de conhecimentos
que dá pistas sobre o modo cada aluno está organizando o seu pensamento;

Esta maneira de avaliar permite que o professor acompanhe o processo de aprendizagem de
seus alunos e descubra que cada aluno tem o seu método próprio de construir conhecimentos, o
que torna absurdo um método de ensinar único e uma prova como recurso para avaliar como se
houvesse homogeneidade de aprendizagem.
Nessa perspectiva, entendemos que é possível avaliar, de forma adequada e útil, alunos com
deficiências. Mas, se analisarmos com atenção, tudo o que o que se diz da avaliação do aluno
com deficiência, na verdade serve para avaliar qualquer aluno, porque a principal exigência da
inclusão escolar é que a escola seja de qualidade – para todos! E uma escola de qualidade é
aquela que sabe tirar partido das diferenças oportunizando aos alunos a convivência com seus
pares, o exemplo dos professores que se traduz na qualidade do seu trabalho em sala de aula e
no clima de acolhimento vivenciado por toda a comunidade escolar.

Fonte: Assistiva • Tecnologia e Educação © 2010
www.assistiva.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

Método das Boquinhas - Renata Jardini

Loading...

Educação Especial

Loading...

Disfagia

Loading...

Fonoaudiologia Estética

Loading...

Consciência Fonológica em crianças de 3 anos pelo Método das Boquinhas

Loading...

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”