0

Esclerose Múltipla e a contribuição da Fonoaudiologia


O QUE É?

A Esclerose Múltipla é uma das doenças mais comuns em adultos jovens que compromete o SNC (Sistema Nervoso Central) constituído por cérebro, cerebelo, tronco encefálico e medula espinhal. De causa ainda desconhecida, foi descrita, inicialmente, em 1868, pelo neurologista francês Jean Martin Charcot, que a denominou "Esclerose em Placas", descrevendo áreas circunscritas endurecidas que encontrou (em autópsia) disseminada pelo SNC de pacientes. É caracterizada também como doença desmielinizante, pois lesa a mielina, prejudicando a neurotransmissão. A mielina é um complexo de camadas lipoproteicas que envolvem e isolam as fibras nervosas (axônios), permitindo que os nervos transmitam seus impulsos rapidamente, ajudando na condução das mensagens que controlam todas as atividades conscientes e inconscientes do organismo.

Na Esclerose Múltipla, a perda de mielina (desmielinização) leva a interferência na transmissão dos impulsos e isto produz os diversos sintomas da doença. É importante atentarmos que a mielina esta presente em todo sistema nervoso central, por isto qualquer região do mesmo pode ser acometida e o tipo de sintoma esta diretamente relacionada.

Os axônios sofrem danos variáveis, em conseqüência do processo inflamatório, o que culmina com o decorrer do tempo com acúmulo de incapacitações neurológicas. Os pontos de inflamação, desmielinização, evoluem para resolução com formação de cicatriz. Esta não apresenta a mesma função do tecido original (é a placa, esclerose significa cicatriz), mas é a forma que o organismo lança mão para curar a inflamação, só que com isto perdemos função tecidual (“a cicatriz como testemunha”) que aparecem em diferentes momentos e zonas do sistema nervoso central.

Os pacientes podem se recuperar clinicamente total ou parcialmente dos ataques individuais de desmielinização, produzindo-se o curso clássico da doença, ou seja, surtos e remissões.

Os dados obtidos em pesquisas realizadas e atualmente disponíveis podem oferecer o diagnóstico clínico e laboratorial, mas ainda em alguns casos podem ser insuficientes para definir de imediato se a pessoa é ou não portadora de esclerose múltipla, uma vez que os sintomas se assemelham a outros tipos de doenças neurológicas. Nestes casos a confirmação diagnostica pode levar mais tempo.


Apesar de não existir a cura ate o momento para a Esclerose Múltipla, muito pode ser feito para ajudar as pessoas portadoras de Esclerose Múltipla a serem independentes e a terem uma vida confortável e produtiva.

Denomina-se ESCLEROSE e Denomina-se MÚLTIPLA:

•Áreas do cérebro cerebelo, tronco encefálico e da medula espinhal são afetadas pela inflamação e posterior aparecimento de cicatrizes (escleroses).

• Os sintomas podem ser leves, moderados ou intensos e surgem e de maneira imprevisível.


TEM DÚVIDAS, SUSPEITA?



A dúvida

Se existe a “suspeita” de estar com Esclerose Múltipla, a primeira coisa a ser feita é ter certeza do diagnóstico. Deve-se então, procurar um médico neurologista, que é o profissional mais adequado a investigar e tratar pacientes com a doença.

Existe uma série de doenças inflamatórias, infecciosas, que podem ter sintomas semelhantes ou iguais ao da Esclerose Múltipla. O mais importante é aliar ao conhecimento médico, uma história sugestiva tal como exame físico e neurológico, assim como exames complementares para se cercar de todas as hipóteses.

Os enganos mais comuns:

• Sub valorizar ou supervalorizar sintomas, levando a falso positivo e falso negativo em relação ao diagnóstico de EM.
• Aconselha-se em caso de dúvida, repetir os exames, rever a anamnese e exame físico sempre que for necessário.
• A dúvida quando anotada e explicada deve ser encarada como sinal positivo, pois a medicina não é uma ciência exata. Detalhes são extremantes importantes para ajudar os médicos no diagnóstico.

TRATAMENTO FONOAUDIOLÓGICO

A Esclerose Múltipla está diagnosticada no campo das alterações neurológicas, dos pontos de vista motor e sensorial, comprometendo, no que diz respeito à fonoaudiologia, a dificuldade para articular as palavras - disartria - assim como a dificuldade para engolir, disfagia, que compromete tanto a sensação geral do paladar como os movimentos importantes para a deglutição, que se dá de maneira lenta, imprecisa, ocasionando engasgos freqüentes e aspirações silenciosas que não são percebidas pela pessoa. Daí, a saliva ou o alimento entram na via respiratória, chegando até os pulmões.

A disfagia é encontrada também em pessoas idosas que começam a engasgar. Em geral, esse processo tende a se agravar com o tempo. Também em crianças com Paralisia Cerebral, parkinsonianos, afásicos (recomendo ler antigo anterior sobre Afasia, clique aqui), pessoas que sofreram traumatismo craniano, e também aquelas que estão acometidas de câncer na região da cabeça e pescoço.

É comum todos pensarmos que o objetivo de qualquer tratamento é a conquista da qualidade de vida da pessoa acometida de qualquer alteração. O caminho para isso está no que cada profissão e pessoas em geral podem contribuir para que ele seja mais curto. Desta forma, mesmo sabendo que, por enquanto, não há cura para a Esclerose Múltipla, já é um grande passo direcionarmos o tratamento para o alívio e prevenção dos surtos.

Alguns fatores podem alertar e contribuir para a identificação da disfagia para que sejam tomadas providências imediatas:

1) Alguns alimentos não estão sendo tolerados como antes
2) O tempo da refeição está mais prolongado que o habitual
3) Há sobra constante de alimento na boca após a deglutição
4) O engasgo e a tosse estão cada vez mais freqüentes
5) A pessoa começa a sentir sufocamento quando vai beber água ou mastigar
6) O alimento pode entrar pelo nariz
7) Por causa da mudança da alimentação, da dieta necessária a cada situação, a pessoa pode cemeçar a perder peso.

Inicialmente, é isso o que temos a dizer. Numa outra oportunidade poderemos voltar ao assunto e esclarecer mais detalhes. Já nos casos de disartria, podemos identificar: a fala arrastada, pesada com dificuldades para articular determinadas palavras.

Lembrando sempre que qualquer tratamento nos casos de problemas de comunicação, a eficácia dos resultados está no trabalho realizado por equipe interdiscilplinar.

TRATAMENTO COM CÉLULAS TRONCO


Ver site: http://tratamentocomcelulastronco.com/index.php/experiencias-dos-pacientes-e-noticias/esclerose-multipla.html

Fonte:
http://www.acessa.com/viver/arquivo/vida_saudavel/2004/05/14-Cal/
http://abem.org.br/oquee.asp?cor=1

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

Método das Boquinhas - Renata Jardini

Loading...

Educação Especial

Loading...

Disfagia

Loading...

Fonoaudiologia Estética

Loading...

Consciência Fonológica em crianças de 3 anos pelo Método das Boquinhas

Loading...

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”